Monday, December 12, 2011

UN Women Announces 16 Steps Policy Agenda | Say NO - UNiTE

UN Women Announces 16 Steps Policy Agenda | Say NO - UNiTE

In her first message for the International Day for the Elimination of Violence against Women, since UN Women became operational earlier this year, Executive Director of UN Women, Michelle Bachelet outlines a comprehensive policy agenda to end violence against women globally. Focusing on the three critical pillars of prevention, protection and provision of services, Ms. Bachelet’s call for action, urges world leaders to mobilize political will and investment to ensure that women can live a life without violence.

16 Steps Policy Agenda to End Violence against Women

1. Ratify international and regional treaties …
that protect the rights of women and girls, and ensure that national laws and services meet international human rights standards.
2. Adopt and enforce laws…
to end impunity, bring perpetrators of violence against women and girls to justice and provide women with reparations and remedy for the violations perpetrated against them.
3. Develop national and local action plans…
for ending violence against women and girls in every country that bring the government, women’s and other civil society organizations, the mass media and the private sector into a coordinated, collective front against such human rights violations.
4. Make justice accessible to women and girls …
by providing free legal and specialized services, and increasing women in law enforcement and frontline services.
5. End impunity towards conflict-related sexual violence …
by prosecuting perpetrators in conflict and post-conflict contexts and fulfilling survivors’ right to comprehensive reparations programmes that are non-stigmatizing and have a transformative impact on women and girls’ lives.
6. Ensure universal access to critical services…
at a minimum, women’s and girls’ emergency and immediate needs should be met through free 24-hour hotlines, prompt intervention for their safety and protection, safe housing and shelter for them and their children, counseling and psycho-social support, post-rape care, and free legal aid to understand their rights and options.
7. Train providers of frontline services…
especially the police, lawyers and judges, social workers and health personnel to ensure that they follow quality standards and protocols. Services should be confidential, sensitive and convenient to women survivors.
8. Provide adequate public resources…
to implement existing laws and policies, recognizing the devastating costs and consequences of violence against women not only for the lives directly affected, but to society and the economy at large, and to public budgets.
9. Collect, analyze and disseminate national data…
on prevalence, causes and consequences of violence against women and girls, profiles of survivors and perpetrators, and progress and gaps in the implementation of national policies, plans and laws.
  • Gender-based violence study in Morocco reveals that approximately 60 percent of Moroccan women have experienced some form of violence recently, and violence against women is three times more likely in urban areas than in rural ones.
  • Together for Girls, a global effort to prevent sexual violence against girls, of which UN Women is a partner, makes an urgent call for national surveys. The alarming finding in Swaziland—one-third of girls have experienced sexual violence—spurred a national education campaign, strengthening of the capacity of police to respond to sexual violence, and the establishment of a child-friendly court. For more information about Together for Girls, click here.
  • Access data on prevalence, laws and more at Progress of the World’s Women and Violence against Women Prevalence Data: Surveys by Country.
10. Invest in gender equality and women’s empowerment…
to tackle the root causes of violence against women and girls. Strategic areas are girls’ secondary education, advancing women’s reproductive health and rights, addressing the inter-linkages of violence with HIV and AIDS, and increasing women’s political and economic participation and leadership. Gender equality and ending violence against women must be placed squarely at the heart of achieving the Millennium Development Goals.
  • Up to three quarters of women and girls worldwide experience physical or sexual violence in their lifetime. The MDGs and Gender Series cautions, unless violence against women is curbed, meeting all of the eight Millennium Development Goals will be impossible.
11. Enhance women’s economic empowerment…
by ensuring women’s rights to own land and property, to inheritance, equal pay for equal work, and safe and decent employment. Women’s unequal economic and employment opportunities are a major factor in perpetuating their entrapment in situations of violence, exploitation and abuse.
  • In a land torn apart by years of bitter conflict, the daily struggle to survive is an ongoing battle. Feeding the family is a constant challenge. Bread Winner, Bread Maker tells the story of some inspirational women who are bringing hope to thousands in the occupied Palestinian territory.
  • Millions of women work overseas each year and endure abuse and exploitation. On the Move: Nepal’s Women Migrant Workersfight for their rights.
12. Increase public awareness and social mobilization…
to stop violence against women and girls, and to enable women and girls subjected to violence to break the silence and seek justice and support.
  • With over 2 million actions and 600 partners, Say NO – UNiTE to End Violence against Women offers a global platform for information, action and social mobilization. Visit and post your action today!
13. Engage the mass media…
 in shaping public opinion and challenging the harmful gender norms that perpetuate violence against women and girls.
14. Work for and with young people as champions of change…
 to end violence against women, and ensure that educational systems empower girls and boys to transform and build gender relations based on harmony, mutual respect and non-violence.
15. Mobilize men and boys…
 of all ages and walks of life to take a stand against violence against women and girls, and foster equality and gender solidarity.
16. Donate to the UN Trust Fund to End Violence against Women..
 the only grant-making fund in the world exclusively dedicated to channeling expertise and financial support to national, local and grassroots efforts.
  • It’s the 15th anniversary of the UN Trust Fund—since its establishment, the UN Trust Fund has supported 339 programmes in 127 countries and territories, relying on voluntary contributions. Please help us make the world a safer place for women and girls by sending a donation today!

Related links: Download the 16 Steps to End Violence against Women.

Friday, May 27, 2011

Cartilha orienta empresas sobre prevenção à violência sexual contra crianças e adolescentes

Empresas Contra Exploração: Cartilha orienta empresas sobre prevenção à violência sexual contra crianças e adolescentes

A cartilha esta aqui.

País debate exploração sexual de crianças (de Rede Brasil Atual)


Disque 100

Edição: Fábio M. Michel

Friday, May 13, 2011

Mesa redonda: “Estamos fazendo bonito? Protegendo nossas crianças e adolescentes?”

CRP-09 realiza mesa redonda para discutir o combate à exploração sexual de crianças e adolescentes

Na semana em que é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o Conselho Regional de Psicologia (CRP), em parceria com o Fórum de Enfrentamento da Violância Sexual Contra Crianças, promove a mesa redonda “Estamos fazendo bonito? Protegendo nossas crianças e adolescentes?”. O evento será realizado no dia 19 de maio, no Teatro InAcabado, às 19 horas.

Há 11 anos o Brasil lembra em 18 de maio a data, que refere-se a um crime ocorrido em 1973, quando Aracelli Cabrera, de nove anos, foi brutalmente molestada e assassinada em Vitória, no Espírito Santo.

O objetivo da lembrança é mobilizar e convocar a sociedade brasileira a se engajar no enfrentamento a este tipo de violência. Veja participar da discussão!

Serviço:Mesa redonda: “Estamos fazendo bonito? Protegendo nossas crianças e adolescentes?”
Dia: 19 de maio, às 19horas
Local: Teatro InAcabado, na Avenida Anhanguera nº 7030 com Avenida P2 - Setor dos Funcionários
Entrada Franca e entrega de certificado aos presentes


Tuesday, January 18, 2011

Info do site da 1ª Vara da Infância e da Juventude do DF – 1ª VIJ/DF

nfância e Juventude  :.  Violência sexual

Banner identificaçã menu Tribunal.

Violência Sexual

O que é violência sexual contra crianças e adolescentes?

A violência sexual contra crianças e adolescentes é o envolvimento destes em atividades sexuais com um adulto, ou com qualquer pessoa um pouco mais velha ou maior, nas quais haja uma diferença de idade, de tamanho ou de poder, em que a criança é usada como objeto sexual para gratificação das necessidades ou dos desejos do adulto, sendo ela incapaz de dar um consentimento consciente por causa do desequilíbrio no poder ou de qualquer incapacidade mental ou física.
Crianças e adolescentes não estão preparados física, cognitiva, emocional ou socialmente para enfrentar uma situação de violência sexual. A relação sexualmente abusiva é uma relação de poder entre o adulto que vitima e a criança que é vitimizada.

O que é exploração sexual comercial de crianças?

A criança ou adolescente sexualmente explorado não é resultado de promiscuidade ou de seu próprio desejo. É uma relação de poder na qual prevalece o domínio econômico e a mercantilização do corpo da vítima. Sua ocorrência deve-se a causas múltiplas, tais como a vitimização da criança no próprio contexto familiar, a precariedade das condições socioeconômicas e/ou das relações familiares, a situação de rua, a falta de oportunidades na promoção do desenvolvimento pessoal e social da vítima, um contexto social que não valoriza o corpo, as necessidades, a sexualidade e os sentimentos da criança ou adolescente, em especial da criança em situação de risco social.
A exploração sexual deve ser combatida por meio de ações públicas e sociais de garantia de direitos básicos e acesso a serviços fundamentais, de condições dignas de vida e de envolvimento em situações que promovam o desenvolvimento social. Por fim, deve ser prática rejeitada por uma sociedade que valoriza a criança e o adolescente como sujeitos em condição peculiar de desenvolvimento, requerendo a responsabilização imediata daqueles que exploram a criança ou o adolescente, obtendo lucro e satisfação às suas custas.
O artigo 244-A da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente) prevê pena de quatro a dez anos de reclusão e multa para quem submeter criança ou adolescente à exploração sexual. Incorrem nas mesmas penas o proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se verifique a submissão de criança ou adolescente às práticas sexuais.

O que fazer quando há suspeita de violência sexual contra uma criança ou adolescente?

A violência sexual não é um assunto que diz respeito apenas à vítima. Proteger a criança e o adolescente de toda forma de violência é uma responsabilidade do Estado, da família e de toda a sociedade. Quando há suspeita de violência sexual, é importante acionar uma das instituições que atuam na investigação, diagnóstico, enfrentamento e atendimento à vítima e suas famílias: Conselhos Tutelares, Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Promotoria de Justiça de Defesa da Infância e da Juventude (PJDIJ), 1ª Vara da Infância e da Juventude (1ª VIJ), Disque 100 ou 156.

Qual o papel do Centro de Referência para Proteção Integral da Criança e do Adolescente em Situação de Violência Sexual (CEREVS) da 1ª Vara da Infância e da Juventude do DF?

A 1ª VIJ/DF tem como missão “garantir os direitos da criança e do adolescente e assegurar-lhes condições para o seu pleno desenvolvimento individual e social, possibilitando-lhes um futuro mais justo.” Quando a violência acontece nas relações familiares, colocando a criança ou o adolescente em situação de risco no espaço que deveria protegê-lo e garantir sua integridade física e emocional, medidas protetivas judiciais podem ser necessárias para assegurar que os direitos violados sejam resgatados.
Nesses casos, por ordem da autoridade judiciária, a equipe técnica do CEREVS – assistentes sociais e psicólogos – realiza estudo psicossocial para um conhecimento mais abrangente e sistêmico da situação apresentada. Os dados colhidos, assim como a manifestação do ponto de vista técnico, servirão como subsídio para a decisão judicial que o caso requer.
Além disso, de acordo com o artigo 151 do Estatuto da Criança e do Adolescente, a equipe técnica pode desenvolver trabalhos de aconselhamento, orientação, encaminhamento, prevenção e outros, sempre sob a imediata subordinação à autoridade judiciária.
Assim, o CEREVS dispõe-se a promover a articulação das instituições que compõem a rede de atenção à criança e ao adolescente, governamentais ou da sociedade civil, realizando um trabalho de parceria para a vinculação das famílias aos serviços que possam garantir que crianças, adolescentes e familiares tenham seus direitos violados resgatados bem como possam favorecer as condições de proteção das famílias.

Exemplos de fluxo de notificação

Telefones Úteis

1ª Vara da Infância e da Juventude do DF – 1ª VIJ/DF
Centro de Referência para Violência Sexual – CEREVS
Telefone: 3103-3314 / 3103-3315
Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – PJDIJ
Telefone: 3348-9000
Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente – DPCA
Telefones: 3362-5944 / 3362-5644 / 3362-5749